Eu trabalho pra viver
Vivo pra me esconder
Me escondo sem poder
Me contrapor ou insurgir

Sou obrigado a engolir
Uma rotina miserável
Minha vida sendo sugada
Minha saúde ignorada

Sangue, Fome, Morte
Escorre bueiro abaixo
Não há nenhum questionamento
E nem contraste pra tristeza
Nesse ciclo desgraçado
Preso nessa jaula
Não há nenhum entendimento
E nem remédio pra fraqueza

Insalubre!

A minha volta eu presencio
Vejo notícias dе suicídio
Desempregados, violеntados
Ninguém mais vê sentido nisso
Sangue, Fome, Morte
Enfiado goela abaixo
E só aumenta o meu ódio à burguesia
E sua corja violenta

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *