Shina – Cocktail
Genre Rap

LYRIC
Cocktail

ShinA na voz
Ponte no topo
Green Coast
Down Hill

Caminhando na mesma calçada
Queria o mundo e voltou sem nada
Vendo raios de sol começarem a surgir
Porque o mundo inteiro acorda quando a gente vai dormir

Brindam-se copos, dessas crônicas modernas
Boemia que só neto de peixe herda
A carpa magra que de tanto mel virou zangão
Bêbado subiu a cachoeira e sem querer virou dragão

Quebrando regras e escudos pela vida
Sem perder a visão, pois a mesma salva vida
Viver de status não anseio, não
Sake e chapéu de palha eu viro um mestre ancião

Versando versos gingados nessa dança
Não tenho 6 libras, desequilibrei a balança
Boombap com bala clava, a lírica que avança
Dionísio e Baco lutam minha guerra santa

Pelas ruas meu verso passeia
Foi um lanche na praça que eu fiz a minha santa ceia
Depois de 9 rounds, 9 drinks e 12 casas
Eu finalmente descobri minha qual a minha Saga
Lendário fiz um encantamento
Com a coragem de um juramento
No dia mais claro fiz minha sentença
Na densidão da noite o mal sucumbe a minha presença

Corromperam a liga eu trouxe meus garotos
Atrelado em linhas de raciocínio e de soco
Na Pátria que o capitão só faz besteira
Achei paz e poder na luz de uma estrela

Sou cosmos, astronauta cósmico, cômico
Caos entre morcegos, supersônico
Onde tá meu bic, ShinA é nome não é nick
Escrever é uma doença e pra mim rimar é só tic

Procurando rimas boas, tá aqui
Entrego igual sedex, vocês sempre se atrasam tipo pac
Tem outra boa aqui fazer o quê? c'est la vie
Expulsei meus demônios e eles sem lar, vi

Refleti essa atitude meio cruel
Dei uma caixa de pombos, fundaram um grande hotel
Por isso hoje me afogo em litros
Eram 9 problemas agora são infinitos

Vivo morto nessa vida quântica
Um grito no silêncio dentro da semântica
Alguém me observa pra eu poder existir
É a falta de atenção que me fez querer sumir
To sozinho no meio dessa gente
Minha luz brilha, sou uma estrela carente
Tentaram me derrubar, mas eu vou a frente
Mesmo se cambalear sei que não vou ser cadente

Ando como um bêbado sem ver sua face
Cortei as cordas do universo de Laplace
Sou um estrangeiro quando caminho por aqui
É o absurdo desse mundo que me impede de dormir

Grandes teorias entre vielas e ruas
Duvidam vorazmente como as pegadas na lua
Pra timoneiros perdidos minha rima é um farol
Flechei aos céus e guardei comigo um pedaço do sol

Nem amanheceu, cantou outro rabo de galo
Ideias milionárias surgem a cada estalo
Meu plano de dominar o mundo é verdadeiro
Enquanto Pinks tão dando tiros dentro do banheiro

Voltando como sempre uns 45 graus
O resultado esperado me diz que eu não to mal
Então sem nem pensar outra joia jogo pra dentro
Se estalar os dedos, os outros vão sumir junto com vento

Ouvi falar que Django é foda, puta filme cruel
Prefiro Pulp Fiction, me senti um Cão de Aluguel
Agora são Nove Odiados, outro bastardo enfim
Acendi meu Red Apple e fui fumar sozin
Fumaça sobe nas escadas ao relento
Pessoas viram frames em movimento
Vultos passeiam por essas madrugadas
Procurando por portais que não tem ninguém na entrada

Amizades verdadeiras e de copo
As piores ideias são as que eu sempre topo
Só se vive uma vez, meu cérebro me remete
Ainda bem que eu domino o universo 137

Irônico perdi meu tempo lendo a Times
Entre mortos e feridos no pique Rick Grimes
Sem ser pugilista to vivendo de punches
Genial e egoísta como Rick Sanchez

Cansei dos seus joguinhos e portais
Cansei da sua carência pra mim tá demais
Ideias de liberdade no verso eu trago
O bolo era uma mentira mas eu te perdoo GLaDOS

Me sinto um antropólogo nessa mesa vermelha
Observando as pessoas e suas besteiras
Conversando sobre tudo que a mente permeia
Dialogando sobre a luz da lua cheia

Antes de ir embora manda um salve pro Rui
Criatividade máxima aqui sempre flui
Sobre tudo nessa área a gente discuti
Esse som eu tirei de uma conversa no Tutti

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *