À Palavra – ProfJam
Genre Rap

LYRIC
À Palavra

Intro

Talvez ninguém saiba, eu sei...Yeah
Yeah

Refrão

Hoje vou limpar o roupeiro
Viver no escuro, toupeira
Essa tua Luz eu tapei-a
Só dou à Palavra o que eu vejo
Só dou à Palavra o que eu sei
Só 'tou a abalar o que houver
'Tou fora da Arca, Noé!
E 'tou na balada com bués…
[Sei onde é o Norte, é caminhar
Troco a night pelo day
[De preto como a Morte, a combinar
Hmmm não há nada que odeie
['Tou a viver a sorte do herói
Vim te soltar dessa cadeia
[um novo capítulo da História
La la lé la la lé yé

Verso 1

Sangue na faca, sou um pária quase...
Tanto mano na foto que passa com falsa face
Nem um Santo sufoca na fossa que não faça caso
Só que eu 'tou noutra moca com o passo ao Paradise…
Como é que me puseste na Terra?
Eu sou uma fera, um monstro, um phantom
Já te disseram que essa merda foi um crime, Pai?
Eu vou foder a perna na corrida, tanto esperma nessa Vida
O ventre dela espera um creampie…
E se ela não se vier eu dou-lhe a dick again
O finger mete-se, a língua mexe
E ainda lhe cuspo um sick fire…
Aí derrete-se, nunca apresso, pés na maratona
A pressa não compensa, vi que quem vai no sprint cai…
"levanta-te e anda!"
Deus certificou-me… I’m a certified G [Gang gang
Só Ele sabe o meu nome… Prof e Mário é daqui!
Se 'tá lit eu sou o lume… faço cinza do beat…
Eu sou o meu aluno… e deixo o sumário 'pa ti..
Eu não falo à toa, nem que a voz me doa
Cabeça na coroa, perfect fit!
Um beto de Lisboa
Vê como é que eu 'tou a cuspir a lagoa da cor
Que quero que fique…
White como a coca, o meu lema é go hard
Lutar como o Gohan até que o cérebro frite…
Igual a mim não há, linguista com o Noam
Devo ser uma Boa, aperto, espero, pito...
"'Pa' que é que falas de dinero se noutra era não era assim?”
Mano eu fiz o jogo do sério co' Devil e não sorri
Aprendi que a vida custa, só que não custava a mim
Vivia da guita dos cotas e só queimava weed...
Pensava que era woke mas juro 'tava a dormir
Num coma profundo vindo do fumo duma king
Não fiz pelo mundo, nem pelo outro, nem por mim
De consciência tranquila "a culpa não pode ser minha”!
Culpava o Polvo pelo Mal do Mundo
Achava que o Povo era lavado
Culpava as empresas pelo fumo
Montado num carro com um cigarro… you get me?
Vi que a minha mão 'tá ligada ao meu corpo
Que 'tá ligado à minha mind
Que 'tá ligada à minha soul
Que 'tá ligada ao Nosso Pai
Que 'tá ligado no Todo
Então se jogas na life tens sempre a mão no controlo

Refrão

Hoje vou limpar o roupeiro
Viver no escuro, toupeira
Essa tua Luz eu tapei-a
Só dou à Palavra o que eu vejo
Só dou à Palavra o que eu sei
Só 'tou a abalar o que houver
'Tou fora da Arca, Noé!
E 'tou na balada com bués…

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *